Pesquisar
Close this search box.

7 de setembro: o que essa data representa para o Brasil?

7 de setembro

A princípio, 7 de setembro é uma das datas mais importantes do calendário nacional, por marcar o momento em que o Brasil se tornou independente de Portugal, em 1822. Mas como foi esse processo histórico e o que ele significa para a nossa identidade como nação? Neste artigo, abordaremos os principais aspectos da independência do Brasil e sua relevância para a nossa cultura e cidadania.

O contexto da independência do Brasil no 7 de setembro

Acima de tudo, 7 de setembro, a independência do Brasil foi resultado de uma série de fatores políticos, econômicos e sociais que se desenrolaram ao longo do século XIX. Podemos destacar alguns deles:

  • A vinda da família real portuguesa para o Brasil nos anos de 1808, fugindo das invasões napoleônicas na Europa. Essa mudança trouxe benefícios para o Brasil, como a abertura dos portos, a elevação à condição de reino unido a Portugal e Algarves, e o desenvolvimento cultural e administrativo.
  • A Revolução Liberal do Porto em 1820, que exigiu o retorno do rei dom João VI a Portugal e a convocação de uma Constituinte para elaborar uma nova Constituição. Essa revolução também pretendia recolonizar o Brasil, anulando as medidas favoráveis que haviam sido concedidas durante o período joanino.
  • A pressão das elites brasileiras, principalmente dos comerciantes e dos proprietários rurais, que não aceitavam as imposições da Corte portuguesa e desejavam maior autonomia política e econômica para o Brasil. Essas elites contavam com o apoio do príncipe regente dom Pedro, filho de dom João VI, que havia ficado no Brasil como representante do pai.
  • A influência das ideias iluministas e liberais, que defendiam os princípios de soberania popular, direitos individuais e separação dos poderes. Essas ideias inspiraram movimentos emancipacionistas em diversas regiões do Brasil, como a Conjuração Mineira, a Conjuração Baiana, a Revolução Pernambucana e a Inconfidência Cisplatina.

O ato da independência do Brasil

O ato que ficou conhecido como a independência do Brasil ocorreu em 7 de setembro de 1822, às margens do riacho Ipiranga, na atual cidade de São Paulo. Nesse dia, dom Pedro recebeu uma carta das Cortes portuguesas que exigia sua volta imediata a Portugal e a submissão do Brasil à metrópole. Diante dessa situação, dom Pedro decidiu romper definitivamente os laços com Portugal e proclamou: “Independência ou morte!”.

Esse episódio é considerado simbólico, pois representa o ponto culminante de um processo que já vinha se desenvolvendo há meses. Além disso, há controvérsias sobre a veracidade dos fatos narrados, pois as fontes históricas são escassas e contraditórias. O que se sabe é que dom Pedro contou com a ajuda de alguns colaboradores, como José Bonifácio de Andrada e Silva, considerado o mentor intelectual da independência, e Joaquim Gonçalves Ledo, líder do movimento maçônico.

As consequências da independência do Brasil

A independência do Brasil não foi reconhecida imediatamente por Portugal nem por outras nações. Para obter o reconhecimento internacional, dom Pedro teve que enfrentar algumas dificuldades, como:

  • A guerra contra as tropas portuguesas que ainda resistiam no Brasil, principalmente na Bahia e no Maranhão. Essa guerra durou até 1824 e custou vidas e recursos ao novo país.
  • A negociação diplomática com Portugal, mediada pela Inglaterra. Essa negociação resultou no Tratado de Paz e Aliança entre Brasil e Portugal, assinado em 1825. Nesse tratado, Portugal reconhecia a independência do Brasil em troca de uma indenização de dois milhões de libras esterlinas, paga pelo Brasil à Inglaterra.
  • A elaboração da primeira Constituição brasileira, promulgada em 1824. Essa Constituição estabelecia o regime monárquico constitucional e hereditário, a divisão dos poderes em Executivo, Legislativo, Judiciário e Moderador, e a organização do território em províncias.

A independência do Brasil também teve consequências sociais e culturais, como:

  • A manutenção da escravidão e da estrutura agrária baseada no latifúndio e na monocultura. Esses fatores impediram a distribuição de renda e a diversificação econômica, gerando desigualdades e conflitos sociais.
  • A formação de uma identidade nacional brasileira, que buscava se diferenciar da portuguesa e valorizar os elementos nativos, como os indígenas, os africanos e a natureza. Essa identidade se manifestou na literatura, nas artes, na música e na educação.
  • A consolidação de símbolos nacionais, como a bandeira, o hino, o brasão e as cores verde e amarela. Esses símbolos expressavam os ideais de liberdade, ordem e progresso que norteavam o projeto de nação.

A importância do 7 de setembro para o Brasil

Antes de tudo, é uma data que nos convida a refletir sobre a nossa história e a nossa cidadania. Ao celebrarmos a independência do Brasil, devemos lembrar dos sacrifícios e das lutas que foram necessários para construir o nosso país. Devemos também reconhecer as conquistas e os avanços que alcançamos ao longo dos anos, bem como os desafios e as dificuldades que ainda precisamos superar.

Sobretudo, o 7 de setembro é uma oportunidade de valorizarmos a nossa cultura, a nossa diversidade e a nossa democracia. É um momento de expressarmos o nosso orgulho de sermos brasileiros e de termos uma pátria livre e soberana. É uma ocasião de exercermos os nossos direitos e deveres como cidadãos, participando ativamente da vida política e social do nosso país.

Você também pode gostar:

Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.